[WWI]-A Sangrenta Batalha de Verdun! - Parte III

[justify]O 25 de fevereiro talvez tenha sido o dia mais trágico para os franceses. Uma pequena patrulha de dez homens do 24º Regimento do Brandenburgo capturou o forte de Douaumont, a pedra angular das defesas francesas. No mesmo dia, Pétain foi nomeado comandante da defesa e logo pôs ordem ao caos. Os fortes foram rearmados; os setores, adequadamente organizados; novas linhas de trincheiras, construídas, e o sistema de abastecimento foi reorganizado. No primeiro dia da batalha, a única ferrovia que chegava a Verdun fora destruída, e os franceses ficaram apenas com uma estrada estreita para uso de suas comunicações com a retaguarda. Em contraste, os alemães tinham nada menos de 14 linhas principais a disposição, bem como um bom sistema rodoviário, embora os últimos 20 Km da frente ficassem em terreno muito acidentado e árido, o que acarretava problemas.

La Voie Sacrée (A Via Sacra), a estrada carroçável que liga Verdun a Bar-le-Duc, tornou-se a única linha vital dos franceses. Como disse Jacques Meyer, que lutou na batalha, “… este ‘transportador de baldes’ estendia-se pelos 120 Km da artéria que levava a Verdun o sangue generoso dos homens dos reforços e trazia de volta os soldados exaustos e os pobres feridos”. O homem responsável pela sua administração, Major Doumec, deu instruções precisas de que “excluiremos totalmente os comboios a cavalo ou a pé, desviando-os para rotas paralelas; finalmente, não interromperemos de maneira alguma o tráfego para fazer quaisquer reparos no leito da estrada… Nenhum comboio militar a atravessará, a menos que tenha permissão de fazer a volta nela… Qualquer veículo encontrado ali sem condições de ser rebocado será jogado nas margens fora da estrada. Ninguém tem o direito de parar o carro, a não ser que haja enguiço; nenhum caminhão pode ultrapassar o outro”. A partir de 29 de fevereiro, cerca de 3.000 caminhões transportaram 50.000 toneladas de munição e 90.000 homens para a frente todas as semanas. Foi, sem dúvida, uma obra-prima de organização administrativa e, não fora ela, os franceses teriam, na certa, perdido a batalha.

À medida que novas divisões eram lançadas à “máquina de moer carne”, a luta crescia em fúria. Em meados de março, a situação era tal que “Verdun agora era sinônimo de inferno. Não havia campos nem bosques. Apenas uma paisagem lunar. Um lameiro repleto de crateras. Trincheiras desmoronadas, entupidas, refeitas, novamente cavadas e, mais uma vez, entupidas. A neve derretera; os buracos de granadas estão cheios de água e, ali, os feridos se afogam. Um homem não mais pode arrastar-se para fora da lama”. Falkenhayn começava agora a compreender no que lançara suas tropas, mas não havia meio de retroceder. A luta prosseguia renhida e, em junho, até mesmo os nervos de Pétain já começavam a perder a resistência; então ele sugeriu a Joffre que os franceses deviam recuar. Tal qual Ypres fora para os britânicos, Verdun também se transformara em símbolo para os franceses. Os brados de “on les aura” e “ils ne passeront pas” representavam agora senhas não só para os defensores de Verdun, mas também para toda a nação. No espírito de Joffre, porém, por mais estrategicamente sensata que parecesse a retirada, ela estava fora de cogitação, além de que a ofensiva britânica do Somme estava prestes a começar. E ele tinha razão, pois a 11 de julho, em vista da pressão exercida no Somme, Falkenhayn reduziu os ataques. Pétain, agora, se contentava em parar e recuperar-se, mas o mesmo não acontecia com seus subordinados, especialmente Nivelle e Mangin. De outubro em diante, eles realizaram uma série de ataques violentos visando recuperar todo o terreno perdido anteriormente. E, aos poucos, o conseguiram de fato, mesmo com baixas cada vez mais numerosas para ambos os lados.

Mangin, soldado rude da “velha escola”, que acreditava que o ataque resolvia tudo, assim descreveu sua maneira de lutar: “Ataco a primeira linha com os 75 mm; nada pode atravessar a barragem. Depois martelamos a trincheira com os 155 mm e os 58 mm (morteiros)… Quando a trincheira está bem revirada, partimos para atacar seus ocupantes que, em geral, saem em grupos e rendem-se, e, enquanto isso ocorre, suas companhias de reserva são retidas nos próprios abrigos subterrâneos por uma rolha sólida de granadas pesadas. Nossos contingentes de infantaria são precedidos de uma barragem de 75 mm, os canhões de 155 mm ajudam a manter presas as companhias de reserva; as marés de aço juntam-se ao poilus (apelido dos infantes franceses) a uns 70 ou 80 m atrás. Os boches desistem… Está vendo? É tudo muito simples”. E era mesmo; sem qualquer finura, os franceses contentavam-se em levar aos limites a teoria do poder da artilharia, conforme propagada por Foch nos últimos meses de 1915.

A batalha final ocorreu a 18 de dezembro, com os franceses tendo recuperado quase todo o terreno anteriormente perdido para os alemães. O custo fora da ordem de 350.000 baixas para cada lado. Falkenhayn por pouco não esgotara por completo os exércitos franceses, como pretendera. Contudo, em seu plano original, ele não previra tão elevado número de baixas para seu lado, e isto lhe custou a posição. Mas deixemos que Jacques Meyer resuma a luta: “Verdun foi com mais frequência uma guerra de homens abandonados, uns poucos homens em torno de um chefe, um subalterno, um cabo, ou mesmo um simples soldado que as circunstâncias indicaram ser capaz de liderar. Às vezes era um único homem tomando toda a iniciativa. Punhados de homens obrigados a agir, a responsabilizar-se pela defesa – ou pela retirada. Houve os que se descontrolaram – alguns deles – e em geral isso ocorria nas unidades maiores, que nem sempre eram as mais aguerridas, e sim as mais atingidas pelo choque inesperado da catástrofe. Atos decisivos e corajosos eram, sobretudo, individuais, e, por isso, permaneciam ignorados”. A luta em Verdun, mais do que qualquer outra da frente ocidental, foi uma batalha de soldados e não de generais.

[/align]

Fonte: Francisco Miranda – BLOG

Mais algumas fotos:

[table=][tr=][td=][/td][td=][/td][td=][/td][/tr]
[tr=][td=][/td][td=][/td][td=][/td][/tr]
[tr=][td=][/td][td=][/td][td=][/td][/tr]
[tr=][td=][/td][td=][/td][td=][/td][td=][/td][td=][/td][td=][/td][/tr][/table]

Ótimo tópico, realmente essa foi uma das grandes batalhas que já ocorreram em nossa história.